Foto / Maico Zorzan

Especialistas mostram que abril será um mês com muitos fenômenos astronômicos. Alguns poderão, inclusive, ser observados a olho nu. É o caso da superlua rosada que ocorre nesta terça-feira, 7.

Possível de ser visualizado facilmente no céu de Jandaia do Sul, a partir das 18h15, o fenômeno ocorre quando a lua cheia está no ponto mais próximo da Terra, chamado de perigeu, explica Maico Zorzan, professor e astrônomo amador.

O nome de superlua rosada é dada a mais brilhante durante o ano, contudo o nome não é muito bem visto no meio científico. “A lua não vai ficar rosa”, afirma Zorzan. “Esse termo rosada se deu por ser um nome dado no hemisfério norte, e lá como é primavera, coincide com a florada de uma flor rosa, típica do hemisfério”, complementa.

O brilho emitido pela lua será de um laranja-dourado, ficando mais brilhante com o adentrar da noite. Mas, logo no nascer às 18h15 (horário de Brasília) será possível observar o brilho.

Esta será a terceira e última superlua de 2020, a próxima poderá ser vista somente em maio de 2021.

Como registrar?

A ideia de muitos quando observam o céu é tentar registrar o momento. Porém, conseguir uma bela e fiel imagem da lua nem sempre é uma tarefa fácil. “Fotografar a lua exige uma câmera com um bom zoom”, afirma o astrônomo amador.

Segundo ele, não existem grandes diferenças do ponto de vista da observação entre a lua cheia e a superlua. A grande luminosidade, nos dois casos, atrapalha a visualização dos detalhes.

No entanto, para tentar um registro mais fiel, a primeira recomendação é usar um tripé ou apoiar a câmera em um lugar estável. “Usar uma velocidade de captura bem rápida e ajustar depois via app ou software” também são alguns conselhos, conforme Zorzan.

GMG

Compartilhe o post com seus amigos!