De acordo com informações do The Sun , o pai dele, Dost Muhammmad, de 70 anos, e os irmãos Abdul Ghani, Abdul Sattar, Abdul Rehman e Abdul Karim trancaram a mãe em um quarto afastado para que ela não interferisse na ação, e, em seguida, arrancaram os olhos do paquistanês com o auxílio de uma colher e uma faca.

A mutilação dos olhos e a prisão dos familiares

À mídia local, Baqi, que atualmente está internado no Centro Médico de Pós-Graduação de Jinnah, afirmou ter pedido para que os pais o deixassem casar com uma mulher com quem já vinha se relacionando, e que todos concordaram. Porém, horas depois, puniram-no pelo pedido.

Eu gritei para que eles parassem, mas fui ignorado. Eu vi meu olho pendurado para fora, e tudo ficou ainda pior quando pedi para que me deixassem sair, e arrancaram o outro. Depois que eles terminaram, disseram que agora eu me tornaria um exemplo para todos os rapazes da vila”, contou.

Depois de descobrirem o que havia acontecido, alguns vizinhos entraram em contato com outros irmãos do rapaz para que pudessem levá-lo ao hospital.  Abdul Gaffar, de 24 anos, disse que não estava em casa na hora do ataque. “Eu estava fora quando tudo isso aconteceu.

Recebi um telefonema de um vizinho e fui direto para casa. Fiquei em estado de choque ao ver meu irmão gritando de dor. Nós não tínhamos dinheiro e fomos ajudados pela vizinhança, que contribuiu para que conseguíssemos o tratamento médico de Baqi”

O jovem foi levado inicialmente para uma clínica em Quetta, onde os médicos sugeriram que fosse transferido para um hospital especializado em Karachi.

Os olhos de Abdul Baqi não foram recuperados, e segundo a equipe médica, ele não voltará a enxergar. O pai e um dos irmãos foram detidos, enquanto os outros envolvidos no caso estão foragidos.