A produção de café em nível mundial na safra 2018/19 alcançou a marca de 174,5 milhões de sacas. Sendo que 104 milhões de sacas são de café arábica, correspondendo a 60% do total, e 70,5 milhões de sacas são da espécie robusta, o equivalente a 40% de toda a produção. O crescimento em relação à safra anterior (2017/18) foi de quase 10%, pois aquela safra produziu 158,9 milhões de sacas, sendo 94,5 milhões de café arábica e 64,4 milhões de robusta.

Nesse contexto, o Brasil entregou 61,6 milhões de sacas, que equivalem a 35,3% da safra global. A marca garantiu ao país o título de maior produtor de café do mundo, seguido do Vietnã e da Colômbia. O Vietnã entregou 29 milhões de sacas de 60 kg, 16,6% do que foi colhido no planeta. Já a Colômbia registrou 14,3 milhões de sacas colhidas e foi responsável por 8,2% do total. Além disso, vale ressaltar que a Colômbia produz exclusivamente café da espécie arábica e o Vietnã robusta.

Produção nacional

A fim de mapear a produção nacional, o Sumário Executivo do Café – Agosto de 2019 traz dados que permitem estabelecer um ‘Comparativo de área em produção, produtividade e produção’. Os dados se estendem tanto para o café arábica como para o café robusta (conilon) produzidos no Brasil.

Assim, na safra de 2019, o café arábica ocupa uma área de 1,47 milhão de hectares. A produção estimada dessa espécie é de 37 milhões de sacas, com produtividade de 25,2 sacas por hectare.

Quanto ao café robusta, o Sumário destaca que a área em produção é de 373,3 mil hectares, com produção de 13,9 milhões de sacas. Sendo assim, a produtividade ficou estimada em 37,4 sacas por hectare.

Redação da C7 Comunicação