Agora é oficial, os contratos de pedágio no Paraná não vão ser renovados

Anúncios

A informação é do ministério dos transportes, há seis concessionárias que administram os 1.800 km de rodovias federais no estado do Paraná devem desenvolver nas estradas em 2021.

O anúncio foi feito pelo governo Federal, o ministério dos transportes vai retomar o controle das rodovias federais que desde 1997 são administradas por 6 concessionárias de pedágio no estado.

As estradas fazem parte do chamado anel de integração, os contratos de concessão feitos na época pelo governo Jaime Lerner vencem em 2021, e segundo o governo federal não há a menor possibilidade de serem renovados.

Na prática as concessionárias tem mais três anos na administração das rodovias federais que compõem o anel de integração, ou seja, mais 3 anos para cobrar pedágio, e o que vai acontecer depois. A responsabilidade pelas estradas volta a ser só da União.

Em nota o ministério dos transportes informou que já estuda a possibilidade de criar um novo programa de concessões, contratado e administrado pela união, mais atraente para todos os envolvidos, em especial para os usuários das rodovias.

Hoje o Paraná tem uma das tarifas de pedágios mais caros do país, a decisão do ministério dos transportes de retomar as estradas federais no estado, foi anunciada poucos dias depois dos contratos de concessão entrarem na mira da Lava Jato.

Uma empresa investigada na operação é a “Econorte” que administra um trecho com pedágio no Paraná. De acordo com o ministério público Federal, um esquema de corrupção permitia superfaturamento de obras e pagamento de propina para maquiar serviços não prestados.

Em nota o DER informou que a com contra a renovação dos atuais contratos de pedágios e que o governo do estado já descartou a renovação. Segundo o DER a partir dos Dias 26 e 27 de novembro de 2021 não haverá mais cobrança de pedágio nas rodovias estaduais administradas pelas concessionárias desde 1997.

A associação brasileira das concessionárias de rodovias informou que cabe aos governos estadual e Federal a definição do destino das concessões do anel de integração, sobre a investigação do ministério público Federal, a Triunfo participações controladora da Econorte diz que contribuiu de forma transparente com as autoridades e que está à disposição para prestar esclarecimentos.

Compartilhe o post com seus amigos!