Foto: Divulgação/Polícia Federal

Nova etapa foi deflagrada na manhã desta terça-feira (1º). Cerca de R$ 19 milhões foram destinados a pagamentos indevidos, conforme a PF.

Sessenta e oito mandados de busca e apreensão são cumpridos, na manhã desta terça-feira (1º), na deflagração da 4ª fase da Operação Carne Fraca em nove estados do país.

De acordo com a Polícia Federal (PF), esta nova etapa da Carne Fraca apura crimes de corrupção passiva praticados por auditores fiscais agropecuários federais em diversos estados. O G1 apurou que as irregularidades eram realizadas para beneficiar a BRF.

A BRF passou a atuar em colaboração espontânea com as autoridades públicas na investigação e, segundo a PF, apontou 60 auditores fiscais agropecuários como favorecidos com as vantagens indevidas.

R$ 19 milhões para pagamentos indevidos

Aproximadamente R$ 19 milhões foram destinados a pagamentos indevidos, conforme a PF. Os valores eram pagos em espécie, por meio do custeio de planos de saúde e por contratos fictícios firmados com pessoas jurídicas que representavam o interesse dos fiscais.

De acordo com a PF, as práticas ilegais ocorreram até 2017. Elas pararam depois de uma reestruturação internada realizada no grupo, como informou a PF.

Há buscas na União Avícola, no Mato Grosso, que era usada pela BRF para repassar propina para fiscais agropecuários federais, segundo uma fonte da PF. A BRF colaborou com as investigações.

  • Paraná
  • São Paulo
  • Santa Catarina
  • Goiás
  • Mato Grosso
  • Pará
  • Rio Grande do Sul
  • Minas Gerais
  • Rio de Janeiro

‘Romanos’

Cerca de 280 policiais estão nas ruas para cumprir os mandados expedidos pela 1ª Vara Federal de Ponta Grossa, nos Campos Gerais do Paraná.

A 4ª fase da operação foi batizada de “Romanos”, em referência a passagens bíblicas do livro de Romanos que abordam temas como confissão e justiça.

Fonte: G1 PR